Previdência votada em 1º turno e corte na Selic reacendem ânimos adormecidos no pós lua-de-mel com Bolsonaro

 O mês de julho/19 trouxe fatos transformadores para o mercado financeiro e para a economia brasileira. O texto da reforma da Previdência foi aprovado, com folga, no primeiro turno na Câmara dos Deputados, com perspectiva de economia de R$ 900 bilhões em 10 anos, valor muito próximo da proposta original do governo, que previa economizar R$ 1,1 trilhão em uma década. O resultado da votação, antes do recesso parlamentar, reacendeu os ânimos adormecidos após a desilusão amorosa do mercado com o novo governo ao longo da lua de mel do 1º semestre deste ano. A reforma Tributária e a pauta de privatizações voltaram à tona das discussões. Não obstante, o Banco Central anunciou corte de 0,5 ponto porcentual na Selic (a taxa básica de juros) no último dia do mês, nova mínima histórica, dando início a um novo ciclo de cortes. Vemos a SELIC em pelo menos 5,5% até o final do ano. Os juros baixos vieram para ficar e vão durar mais tempo do que se imaginávamos no início do ano. A combinação desses fatores é muito benigna.

Paralelamente ao avanço da Previdência, vieram algumas notícias no front microeconômico, como a liberação do FGTS, que deverá estimular o consumo no curto prazo. Esse estímulo sazonal ao consumo terá estímulo adicional, mesmo que marginal, do novo ciclo de afrouxamento monetário. Do lado da oferta, esperamos que os juros menores levam os investidores a explorarem novas oportunidades em busca de maiores retornos, e a Bolsa é o grande destaque.

Em julho último, o índice Ibovespa chegou a atingir níveis recordes de 106 mil pontos, mas recuou fechando em 102 mil, alta de 0,84% no mês. O mercado aguarda a votação da Previdência no segundo turno da Câmara, esperada ainda nesta primeira quinzena de agosto. A agenda após a Previdência começa a ganhar corpo, o que pode trazer novos horizontes para o Ibovespa. Todos os sinais são positivos. Seguimos vendo a Bolsa como o bom veículo para investimento no Brasil.

 

Novo ciclo de afrouxamento monetário

Ante movimento de desaceleração da atividade econômica mundial, taxas de juros menores por mais tempo retornaram à agenda. O Banco Central dos Estados Unidos liderou o movimento e reduziu no último dia do mês as taxas de juros em 0,25 ponto porcentual. O consenso de mercado ainda pondera probabilidade expressiva de um corte adicional em setembro. A REAG, entretanto, espera um novo corte somente no final do ano e atribui probabilidade alta de que esse corte não ocorra.

O Banco Central do Brasil também agiu nesse sentido, reduzindo a Selic em 0,5 ponto porcentual em sua última reunião para 6,0%. Inaugura-se, então um novo ciclo de cortes na taxa básica de juros brasileira. Não obstante de o tema ser global, a atual conjuntura doméstica corrobora a decisão da autoridade monetária brasileira por realizar mais cortes adiante, decisão sustentada basicamente na ancoragem da inflação a despeito da retomada lenta e gradual da atividade. A REAG prevê assertivamente mais um corte de 0,5 ponto porcentual em setembro e não descarta a possibilidade de a Selic fechar o ano em 5%.

Diante desse cenário de juros mais baixos por um horizonte de tempo mais longo sustentam nossa visão positiva para a Bolsa: melhor custo de oportunidade para se investir em ações. Além disso, os lucros das empresas também devem ser impulsionados, com despesas financeiras menores. Além disso, as oportunidades de retorno em renda fixa pública e privada ficam mais desafiadoras e os investidores que desejarem retornos mais atrativos, terão que aumentar sua exposição ao risco.

Tensões EUA X China

A temperatura entre os EUA e a China continuam elevadas, acerca das tensões comerciais. Após rodada de discussões em Xangai sem progresso, a Casa Branca destacou que a China pretende estender as negociações até as eleições de 2020 a fim de retomar as negociações com outro governo. Por outro lado, os chineses continuam decididos a não ceder à pressão dos EUA e ameaçam responder às tensões comerciais com uma guerra cambial. Os avanços das tensões comerciais e cambiais precisam ser monitorados de perto, à medida que devem continuar a impactar a economia global. Ainda vemos oportunidades em ter exposição a cíclicos globais nas carteiras, embora com mais seletividade.

Reforma da Previdência avança

A reforma da Previdência continua no radar do mercado e das atenções dos investidores. A economia projetada, de R$ 900 bilhões em 10 anos, supera as expectativas iniciais do mercado de R$ 700 bilhões. Nesse sentido, vemos um movimento positivo na Bolsa adiante, como reflexo da confirmação da aprovação no segundo turno da Câmara, assim como na votação do Senado A votação é esperada para a primeira quinzena de agosto, de acordo com o calendário previsto por Rodrigo Maia. Em seguida, o texto irá para o Senado, onde será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e passará por uma rodada de votação em plenário no final de setembro, ou início de outubro.

 

PARA INFORMAÇÕES

(11) 3504-6800

RECLAMAÇÕES

0800-940-1494

EQUIPE RESEARCH

Simone Pasianotto

Economista-Chefe

simone.pasianotto@reag.com.br

André Ricardo Caó

Estrategista-Chefe

andre.cao@reag.com.br

 

Disclaimer
Este relatório de análise foi elaborado pela REAG Gestora de Recursos S.a. (“REAG”) de acordo com todas as exigências previstas na Instrução CVM nº 598, de 3 de maio de 2018, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A REAG não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório.
Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à REAG e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela REAG.
O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório.
Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da REAG. O atendimento de nossos clientes é realizado por colaboradores da REAG. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor.
A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes.
Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da REAG, incluindo clientes da REAG, podendo também ser divulgado no site da REAG. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da REAG.
A REAG se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo.
O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela REAG. Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela REAG. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto.
O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela REAG. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem.
O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela REAG. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.
ESTA INSTITUIÇÃO É ADERENTE AO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS PARA ATIVIDADE DE DISTRIBUIÇÃO DE PRODUTOS DE INVESTIMENTO NO VAREJO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

7 + 13 =

Menu