Compartilhe este post

Agenda Econômica Semanal – 13 a 19 de setembro de 2021

Divulgação de indicadores de atividade é destaque da agenda local

 

O IBGE divulga o resultado do setor de serviços (terça-feira) e o Banco Central divulga o índice IBC-Br de atividade (quarta-feira), proxy mensal do PIB, ambos de julho. Após o PIB andar de lado no 2º tri, o mercado estará de olho nos dados de atividade de julho, que marcam o início do 3º trimestre. Por ora, os indicadores já divulgados vieram em tom misto. Por um lado, a indústria recuou além do esperado em julho, mantendo uma dinâmica predominantemente negativa. Do outro, as vendas no varejo surpreenderam positivamente, impulsionadas pela reabertura das atividades, deixando um viés positivo para o desempenho da atividade no período.

As perspectivas para o setor de serviços são positivas, com expectativa de alta de 0,7% no mês, a quarta consecutiva, refletindo o bom número do varejo ampliado (1,2%), o maior fluxo de veículos pesados nas estradas (1,3%) e a melhora da confiança observada no mês. Assim como no varejo, o setor de serviços deve seguir impulsionado pela maior reabertura das atividades, que favorecem especialmente os serviços prestados às famílias, mais dependentes do fluxo de pessoas e que devem garantir um bom desempenho para o setor no 2º semestre. Entre os tipos de serviços, os destaques deverão ficar com atividades turísticas e serviços prestados às famílias, em razão da volta gradual da normalidade, após um período relativamente longo de restrição às atividades para controle da disseminação de Covid-19.

Para o IBC-Br, a expectativa é de alta de 0,50%, refletindo o desempenho positivo do varejo e dos serviços no mês. Ainda que os sinais sejam de ligeiro avanço no início do 3º tri, segue o sentimento de cautela com o desempenho da atividade.

No cenário inflacionário, a FGV divulga o IGP-10 de setembro (quinta-feira), que deve mostrar queda de 0,50%, desacelerando ante o mês anterior (+1,18%). O principal vetor deve ser os preços do produtor, puxado para baixo pelo relevante movimento de queda do minério de ferro. Além disso, o alívio nos alimentos industrializados e combustíveis também devem contribuir para o movimento. No que se refere aos produtos agropecuários, acreditamos que deve ocorrer uma desaceleração influenciada pelo recuo dos grãos e da pecuária. Assim, o resultado deve ser puxado pela forte queda do preço do minério de ferro, que tem acomodado com o arrefecimento da economia chinesa. Na outra ponta, no entanto, os problemas climáticos devem seguir pressionando os produtos agropecuários no atacado, especialmente os grãos (café, milho e soja), além de também exercerem pressões altistas nas tarifas de energia elétrica e nos preços dos alimentos ao consumidor. Em 12 meses, o IGP-10 deve ficar em 26,68%. Assim, o indicador deve seguir pressionado, mantendo o cenário inflacionário bastante desafiador.

No exterior, atenções se concentrarão nos indicadores de inflação. Tanto os EUA quanto a Área do Euro conhecerão os números de inflação referentes a agosto, importantes para avaliar os próximos passos da política monetária, sobretudo nos EUA. Na terça feira, serão divulgados dados de atividade econômica na China, também referentes ao mês passado.

Compartilhe este post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

16 + 15 =

Menu